Preview Tracks:

About    Credits    Video    Connect  

“Minha cria”, novo single do poeta e compositor Cizinho África. Lançamento, domingo, 12 de agosto, Dia dos Pais

Neste mês de agosto, Cizinho Afreeka volta ao cenário musical com mais um excelente trabalho. O compositor e poeta lança o clipe de seu novo single “Minha cria”, que compôs em homenagem à sua filha mais velha Augusta, de 17 anos de idade. O clipe vai ser lançado, oficialmente, nas plataformas digitais Musicoin e YouTube, no Dia dos Pais, no domingo, 12 de agosto. Cizinho se apresenta também para um pré-lançamento, no sábado, dia 4, durante um evento no Cine Quilombo, no bairro da Glória, Zona Sul do Rio. “Minha cria” é uma das canções que acompanham o álbum Desakato Lírico (com nove poemas musicados do livro homônimo “Desakato Lírico”), que Cizinho lança em dezembro deste ano. A gravação da canção conta com as participações especiais dos parceiros Átomo (voz) e Santoz (arranjos). Cizinho explica por que escolheu a data do Dia dos Pais para lançar o videoclipe: “A música expressa o sentimento que eu tenho pela minha filha mais velha Augusta, e ao mesmo tempo eu aproveito, com esse videoclipe, para chamar atenção de outros pais negros sobre a responsabilidade que temos com nossos filhos. Essa canção aborda a relação de um pai com a sua cria”, afirma Cizinho AfreeKa. Essa é a segunda vez que Cizinho AfreeKa usa a música e a poesia para abordar suas relações afetivas com a família. A primeira foi com “Canção para Makeda”, homenagem à sua caçula Makeda Foluke. A canção também está entre as nove faixas do álbum Desakato Lírico. A música é uma arte que Cizinho Afreeka diz que herdou de seu pai Moacyr, que também era compositor. Sobre o processo de criação poética e composição musical ele diz que é um algo muito natural. Ele afirma que os poetas precisam de algumas ferramentas para alcançar mais pessoas. E por isso entende que a música cumpre esse papel, promove esse alcance. E que o apelo audiovisual do videoclipe pode tornar o seu trabalho mais acessível ao público. “Sabemos que o nosso país não tem muita tradição de leitura, é um hábito que precisa ser incentivado. E a música ajuda nesse processo. Ela chega mais diretamente no ouvido das pessoas, que se abrem mais para a mensagem contida nas letras”, diz o compositor e poeta. Cizinho Afreeka disse que observa que várias revoluções que aconteceram no mundo foram lideradas por poetas: “A poesia e a literatura trabalham no imaginário do povo, na auto-estima, tornando-se importantes nesse processo de emancipação e de conscientização da imagem que temos sobre nós mesmos. Eu uso a poesia nesse sentido”.